Pesquisar este blog

Carregando...

segunda-feira, 16 de maio de 2011

E EIS QUE ESTOU CONVOSCO TODOS OS DIAS ATÉ À CONSUMAÇÃO DO SÉCULO



Prezados amigos, trarei ao blog uma reflexão um pouco diferente das costumeiras, onde o tom é sempre “a partir do direito”. Hoje, é “a partir da Palavra de Deus para o direito”.

Parece estranho?

Na Páscoa, eu estava fazendo minha meditação matinal e me deparei com o texto de Mateus 28.1-20, o qual retrata parte da história da ressurreição de Cristo.

Confesso que já li muitas vezes este texto, afinal os Evangelhos são, constantemente, objeto de estudos dos cristãos. Sou cristão.

Neste tempo de alma árida, a fé, como nunca, deve ser perseguida; sem que se rotule os que não a buscam.

Então, diante de um Brasil tão cheio de corrupção, o texto de Mateus 28.1-20 me deixou perplexo. Por quê?

Porque constatei quão frágil é o ser humano! Diante de um momento tão especial, em que uma parcela da humanidade teve o privilégio de ser protagonista do centro da nossa fé cristã, a mesma se fragilizou e deu lugar à pequenez, ou seja, deixou-se subornar por um punhado de dinheiro. Sim, já naquela época!

A felicidade de se ver a concreticidade das profecias dos antepassados poderia ter ocupado o lugar da mesquinhez. Não foi assim.

Fiquei gelado! Pois questionei o porquê daqueles homens terem aceitado o suborno para mentir sobre o que tinham testemunhado. Constatei que ninguém dá o que não possui. A fé, o amor, a adoração a Deus devem ser buscadas.

Cuiabá, Mato Grosso, Brasil, 16 de maio de 2011, diante de tantos fatos noticiados sobre a contaminação da alma, lancei um desafio a mim mesmo e decidi compartilhar com vocês. Preciso buscar diariamente a fé que norteia a alma. Deus deve estar presente em cada milésimo de segundo da nossa vida. Um descuido, pode ser fatal. Afirmo sob o fundamento da experiência própria. Somos frágeis!

E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século.”Assim, apresento-lhes Mateus 28.1-20.

“1 No findar do sábado, ao entrar o primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria foram ver o sepulcro. 2   E eis que houve um grande terremoto; porque um anjo do Senhor desceu do céu, chegou-se, removeu a pedra e assentou-se sobre ela. 3   O seu aspecto era como um relâmpago, e a sua veste, alva como a neve. 4   E os guardas tremeram espavoridos e ficaram como se estivessem mortos. 5   Mas o anjo, dirigindo-se às mulheres, disse: Não temais; porque sei que buscais Jesus, que foi crucificado. 6   Ele não está aqui; ressuscitou, como tinha dito. Vinde ver onde ele jazia. 7   Ide, pois, depressa e dizei aos seus discípulos que ele ressuscitou dos mortos e vai adiante de vós para a Galiléia; ali o vereis. É como vos digo! 8   E, retirando-se elas apressadamente do sepulcro, tomadas de medo e grande alegria, correram a anunciá-lo aos discípulos. 9   E eis que Jesus veio ao encontro delas e disse: Salve! E elas, aproximando-se, abraçaram-lhe os pés e o adoraram. 10   Então, Jesus lhes disse: Não temais! Ide avisar a meus irmãos que se dirijam à Galiléia e lá me verão. 11   E, indo elas, eis que alguns da guarda foram à cidade e contaram aos principais sacerdotes tudo o que sucedera. 12   Reunindo-se eles em conselho com os anciãos, deram grande soma de dinheiro aos soldados, 13   recomendando-lhes que dissessem: Vieram de noite os discípulos dele e o roubaram enquanto dormíamos. 14   Caso isto chegue ao conhecimento do governador, nós o persuadiremos e vos poremos em segurança. 15 Eles, recebendo o dinheiro, fizeram como estavam instruídos. Esta versão divulgou-se entre os judeus até ao dia de hoje. 16   Seguiram os onze discípulos para a Galiléia, para o monte que Jesus lhes designara. 17   E, quando o viram, o adoraram; mas alguns duvidaram. 18   Jesus, aproximando-se, falou-lhes, dizendo: Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra.
28.19   Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo;
28.20   ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século.”


JOSÉ LUÍS BLASZAK
Advogado e Professor de Direito
www.blaszakjuridico.blogspot.com